Página Temática - Cidadão

04/10/2017 18:20

Audiências públicas discutem Política de Redução de Danos no consumo de drogas

Com o objetivo de ampliar o debate sobre a política de Redução de Danos (RD) e alcançar mais pessoas, a rede de atenção e cuidado voltada aos usuários de drogas iniciou, nesta quarta-feira (4), uma série de debates sobre o tema que vão acontecer durante o mês de outubro. A rede é composta por órgãos e entidades que promovem ações pelo desenvolvimento da política de RD, a Comissão Especial de Promoção da Igualdade da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) e a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social do Estado (SJDHDS), através do programa ‘Corra Pro Abraço’.

De acordo com a coordenadora da Associação Brasileira de Redução de Danos (Aborda), Luana Malheiro, a RD visa minimizar os danos sociais e à saúde associados ao uso de drogas, lícitas ou ilícitas, e oferecer acordos terapêuticos para além da internação e abstinência. “A política é pautada em garantir o direito à saúde e assistência social dos usuários de drogas, ao invés da exclusão dos espaços sociais, trazendo esses sujeitos para construir as políticas e pensar em novos modos de cuidado com a gente”.

Os próximos encontros serão realizados nos dias 20 às 14h, na Praça do Campo da Pólvora, em Nazaré, e, no dia 31 às 10h, na Alba. Para Dudu Ribeiro, coordenador da Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas (INNPD), as audiências públicas ajudam a melhorar os resultados obtidos na RD. “São momentos de troca que sem dúvida vão aprimorar o instrumento que organiza a política de redução de danos no estado da Bahia. Esperamos abrir os canais de escuta com a sociedade, com as organizações da sociedade civil e melhorar os resultados obtidos com a política de cuidado com os usuários”.

O Governo do Estado já desenvolve ações de saúde, cultura, educação, assistência social, trabalho e renda, visando à garantia do cuidado e dos direitos, através do programa ‘Corra para o Abraço’. “Fazemos a articulação política dando suporte aos movimentos sociais e fortalecendo rede de serviços, porque sabemos que esse entendimento da redução de danos na perspectiva dos cuidados em relação ao consumo de drogas e saúde mental ainda precisa ser desenvolvido”, explica a coordenadora pedagógica do projeto, Tricia Calmon.

Além da SJDHDS, compõe a rede de atenção e cuidado envolvida nas audiências, a Aliança de Redução de Danos Fátima Cavalcanti da Universidade Federal da Bahia (Ufba), a Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas, a Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas, Coletivo Quilombo, a Aborda - Associação Brasileira de Redução de Danos, o Ponto de Cidadania, o Cetad/Ufba, o DCE Ufba, a Frente Feminista da Ufba, o Coletivo da Luta Antimanicomial e CAPS AD Gregório de Matos.


Repórter: Tácio Santos
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.